Follow by Email

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Morte e renascimento, é um momento ou um processo, uma gestação?

Morte e renascimento, é um momento ou um processo, uma gestação? Buscamos a mudança de padrão vibratório, à amplificação da consciência e a “iluminação”, conduzidos pelo impulso evolutivo. Ao nascermos, ou seja ao entrarmos em corpo, geramos uma persona que nós trouxe para o mundo das formas. Éramos eternos, livres e plenos, e fomos limitados as condições do tempo-espaço-matéria visível nós nos perdemos de nós mesmos. A persona se desenvolve e nós envolve, gera uma “capa”, uma ferramenta funcional para lidar com o cenário onde nós manifestamos. Fomos perdendo a sensibilidade, protegidos por muros, nossa alma se recolheu... Veja o rito da igreja católica quando fala de culpa....se bate no peito, mandando a alma embora....fica só a persona. Culpa, medo de pecar, de errar, de magoar e ser magoados se torna a tônica da sobrevivência sem alma... Cada vez mais isolados nos tornamos, mais camadas de proteção geramos em nós. Mas para evoluir, precisamos espaço, para expandir a consciência, precisamos romper os limites da persona, sair das zonas de conforto. Mas buscamos a segurança e resistimos a mudança. Para gerar um novo estado, é necessário que o anterior seja desfeito. Às vezes , o fluxo de ágape, o faz com suavidade, se nós deixamos conduzir pela nossa centelha interna.... Mas as vezes, ágape se torna forte e imperativo, para nós levar ao próximo nível evolutivo, nós leva a um fundo de poço... Neste somos obrigados a nós desapegar de vários aspectos de nossa persona...nosso mundo desaba literalmente... Não fica outra opção, exceto para se sobreviver, se confrontar a mudança.... Neste momento ainda é ágape que nós move, fecha portas e abre outras, nós faz abrirmos mão das expectativas que colocamos sobre o ambiente, sobre outrem... Nossas projeções retornam para serem desintegradas, transmutadas e/ou integradas...as máscaras que caem, são as de nossas ilusões, idealizações, que nós puxa para o real... Este processo nada tem a ver com pessoas e fatos externos a nós, mas sim é um processo interno, que se projeta no exterior e sobrepõe as pessoas reais.. Podemos comparar este processo com uma gestação e parto, já que morremos para uma persona, e outro ser se apresenta no lugar. Às vezes a gestação pode ser suave, tranquila, e podemos tocar nossa vida de forma normal, o nascimento é tranquilo e alegre... Mas devidos a nossos apegos, medos, projeções e idealizações, a gestação do novo Ser que nós nos tornaremos é cheia de sustos e enjoos.. A permeabilização da persona, a chegada da alma retornando para o cardíaco, sendo ela sensível e pura, gera reações do status atual. Para ela morar em nós, nossas muralhas devem cair, nosso inconsciente como caixinha, e dependendo do nível, o inconsciente da caixona, deve ser purificado... Conteúdos, núcleos de dor, estruturas de crenças distorcidas são afloradas...vem como um tsunami e nós tomam, e nós levam próximos a cisão, a loucura... Às vezes basta apenas um aroma leve para causar um enjoo em uma gravidez, da mesma forma basta uma energia estranha para causar a vazão do conteúdo... O que é inconsciente sobe para a consciência, onde será apresentado a nosso discernimento... O parto quando se aproxima, a película que protege a película, deve se romper, e as dores do parto podem ser intensas... Ágape literalmente nós espreme, torce e retorce até que apenas sobre em nós nossa essência, aquilo que fomos criados para ser... Para que nasça em nós a presença da Caixona, e através da purificação dos condicionamentos e estruturas seculares, A centelha se manifeste primeiro na caixona, iluminando-a, e depois desce através da alma e nós preenche os corpos de manifestação... Então nova limpeza começa, para a acomodação de novo nível vibratório, as estagnações do corpo físico devem ser liberadas, os arquivos presos nas células liberados... A alma, prepara a limpeza da casa, limpando o inconsciente até o mais profundo...e a caixona completa a faxina... E o novo ser que nasce, precisa reaprender a Ser, pois sua persona deixou de existir, foi integrada, transmutada... A dor que surge na gestação, os surtos, os mal estares, são algo positivo, pois estamos liberando conteúdos que duram vidas... Mesmo a lagarta precisa o momento se entrar no casulo, se recolher em si mesma, adquirir força para romper o casulo, um tempo para esticar suas asas, seca-las, para só após disto voar... Estes processos de transformação são mandatórios pela Natureza, não há como fugir deles quando queremos acelerar nossa evolução... Os fundos de poço, as noites negras da alma são mecanismos evolutivos, conduzidos por ágape... Temos a ilusão de que o amor incondicional, a tudo acolhe, é cumplice com a persona, e é ferramenta de troca, é gentil, carinhosa, até mesmo piegas.... Esta ideia é do amor humanizado e distorcido, onde existe posse, exclusivismo, relação de domínio e submissão, de tolerâncias aos desvios, a condescendências as atitudes involutivas... Assim como temos uma visão distorcida do Creador, lhe damos aspectos paternos, ora violento, primitivo, ora amoroso e condescendente, mas isto são personificações... Ágape é o fluxo da vida, é o movimento da luz que nós conduz, que é onda portadora que nós levará de retorno ao Uno. Ágape é o movimento da vida em nós, e nossa persona é o elemento que nós tira do fluxo de ágape, que gera o antifluxo, no mundo das polaridades... Ágape serve a nossa centelha, e não as caixinhas, vem do criador e passa por tudo, em nós, para nós e através de nós. Vitaliza, nutre, ilumina onde não existe lucidez, força e desintegra em nós aquilo que não somos nós... Onde está estagnado, será como agua que de tanto tocar, desgasta a pedra mais dura, pode ser suave, ou de forma violenta, pois realizará sua Obra... Ágape é como o vento, pode ser suave, mas pode ser um furacão, que destrói um estado, para que a reconstrução se faça... Sim, mesmo a destruição tem função positiva, encerra um ciclo, para que outro se faça... Na destruição também existe a mão do Creador , o fluxo d e ágape, a serviço da evolução Ágape é a energia que faz o magma central do planeta e nosso se mover vitalizando gerando o eletromagnetismo... É dela que nasce a energia motriz dupla, atração e repulsão, cujo magnetismo gera nossa realidade percebida, conforme nossas crenças e conforme a nossa polaridade vibratória. Se existe presença, se existe ordenação em forma, em manifestação visível e/ou invisível é Ágape que o permite... Ágape é o movimento que a tudo move, é a inteligência amorosa, e o Amor inteligente do Creador, que nós ajuda a romper os limites da persona... Uma das suas ferramentas é o poder de destruição, transmutação e recriação....sempre para a evolução, para amplificação de consciência rumo a iluminação... Mesmo a situação, aos nosso olhos, indesejável, como a morte é movimento evolutivo, é sua ação... Pois apenas quando nós desapegamos de um estado, outro poderá nascer... Até mesmo Jesus subiu a cruz, foi teve sua persona martirizada para realizar sua ressureição como Cristo... A resistência por parte da persona, a este movimento, nossas defesas, as idealizações, expectativas projetadas, lixo que jogamos debaixo do tapete, as cristalizações, as estagnações são o que geram a dor... Mas tal como um bebe, uma vez gerado, deverá passar o tempo no útero da mãe, deverá obrigatoriamente passar pelo parto no momento correto... Assim somos nós, quando pedimos para que Ágape se manifeste em nossa vida...seu fluir irá preparar nosso renascimento... Mesmo a dor serve ao amor incondicional, pois remove todos obstáculos a seu fluxo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário